Energia Solar e Vacinas: como os Sistemas Off Grid possibilitam a imunização em áreas remotas

Pouca gente sabe, mas energia solar e vacinas são dois assuntos que podem ter muito a ver.

Em tempos de pandemia, quando se fala em vacinação, a associação imediata é com a Covid-19. Porém, existe um calendário de imunização no Brasil que possibilitou erradicar diversas doenças nas últimas décadas. Todas as vacinas brasileiras são aplicadas conforme o Plano Nacional de Imunização (PNI), em um esforço coordenado entre União, Estados e Municípios.

Em muitos casos, a conservação das vacinas que protegerão a população só é possível graças à instalação de sistemas de Energia Solar Off Grid, que permitem o funcionamento de geladeiras para refrigerar os imunizantes 24 horas por dia.

LEIA TAMBÉM:
– Veja Preços de Baterias de Lítio para Energia Solar
– Visite a loja NeoSolar e veja Preços para o seu Projeto
– Confira mais notícias de Energia Solar no Blog NeoSolar

O desafio de levar Vacinas para Regiões Remotas

Um dos maiores desafios para vacinar a população brasileira é chegar a áreas remotas e manter a integridade dos imunizantes, considerando que muitas regiões do país não contam com energia elétrica ou possuem instalações precárias, com constantes quedas de luz.

Nesses casos, diversos lotes de vacina correm o risco de estragar se não forem armazenados em geladeiras que mantenham os imunizantes refrigerados na temperatura ideal. Diante desse problema, uma solução de grande importância é a instalação de sistemas Off Grid de energia solar fotovoltaica, que contam com baterias e permitem manter uma geladeira ligada mesmo em um local isolado.

Vacinação - Geladeira - Aplicação Energia Solar Fotovoltaica Off Grid
Sistemas Off Grid de Energia Solar contribuem com o cronograma de vacinação por permitirem que regiões remotas do Brasil mantenham geladeiras ligadas para conservas os imunizantes (Crédito da Imagem: Ronstik/ Pixabay/ Reprodução Neosolar)

Energia Solar e Vacinação: Muito além da Covid-19

Algumas doenças menos contagiosas podem aguardar um pouco mais pela chegada de agentes de saúde com a logística necessária para campanhas temporárias. Mas no caso da Covid-19, por exemplo, o esforço precisou ser rápido e coordenado, a fim de organizar a vacinação em tempo recorde e ainda atender às específicas necessidades de temperatura dos imunizantes — cuja validade é menor e sensibilidade à temperatura, muito maior.

Por isso, em áreas remotas do Brasil, os sistemas de Energia Solar Off Grid, cuja geração é completamente independente de qualquer ligação com a rede elétrica, se apresentaram como uma solução adequada para manter o fluxo constante de energia em unidades de saúde e, assim, garantir a vacinação contra a Covid-19 – e outras doenças.

No Norte do País, por exemplo, com o apoio de ONGs e fundações internacionais, esse tipo de sistema está fornecendo energia solar a Unidades Básicas de Saúde (UBSs) que atendem comunidades e aldeias indígenas, possibilitando cumprir as exigências do PNI.

Vacinação África com Energia Solar
Programa da Unicef possibilitou vacinação em áreas remotas da África graças à instalação de placas solares (Crédito da Imagem: Unicef/ Conexão Planeta/ Reprodução NeoSolar)

Autonomia energética em Sistemas Off Grid

As geladeiras usadas para acondicionar vacinas em UBSs da Região Norte, sobretudo em comunidades ribeirinhas, ficam conectadas na energia fotovoltaica, que também possibilitou autonomia energética e informatização das unidades. Milhares de pessoas estão sendo beneficiadas e as UBSs atualmente podem ter equipamentos que antes não tinham condições de funcionar, como inaladores, para atendimentos de urgência.

Anteriormente, as unidades de saúde dependiam de geradores a diesel para funcionar, equipamentos que também forneciam energia para outros locais públicos e residências. Frequentemente, a energia gerada não era suficiente para manter o funcionamento de todos os prédios e casas adequadamente por conta da corrente elétrica instável.

Nos sistemas fotovoltaicos das UBSs, dimensionados para funcionar 24h/dia, são utilizadas baterias de lítio e inversores, melhorando a qualidade do atendimento primário à saúde. O sistema, normalmente, compreende um gerador fotovoltaico de 3,68 KWp, painel solar, inversor solar e bateria solar de lítio 48V 3,6KWh.

Energia Solar Off Grid - Geladeira armazenamento de vacina
Energia Solar e Vacinas: imunizante sendo retirado de imunizante em Uganda, na África, com refrigeração possibilita por um sistema Off Grid de Energia Solar Fotovoltaica (Crédito da Imagem: Unicef/ Conexão Planeta/ Reprodução NeoSolar)

Por ser Off Grid, com a utilização apenas da energia solar produzida pelos painéis fotovoltaicos, o sistema distribui automaticamente energia para as unidades de saúde e o excedente é armazenado em baterias. Para gerenciar a produção e o consumo, é instalado um inversor-carregador, que converte a corrente contínua dos painéis em corrente alternada, conforme a demanda.

Para que o sistema funcione de maneira adequada, é necessário utilizar baterias para armazenar a energia gerada pelos painéis solares, garantindo que mesmo em momentos de baixa geração de energia, como em dias nublados, o fornecimento seja constante. A alternativa viável a longo prazo  é a bateria solar de lítio ferro-fosfato, já que permite o uso quase total de sua carga sem afetá-la, mantendo sua eficiência em até 10 anos.

África: geladeiras de vacinas em sistemas Off Grid

Um consórcio de organismos internacionais foi criado no ano passado para garantir que regiões mais pobres e com difícil acesso tenham condições de vacinar a população contra a Covid-19. O Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), por meio desse consórcio, vem investindo na compra e instalação de refrigeradores com energia solar fotovoltaica para o continente africano.

LEIA TAMBÉM:
– Saiba o que é um Eletroposto para Carros Elétricos e como funciona
– O Guia Completo sobre Energia Solar
– Aprenda mais Sobre os Equipamentos Essenciais para Projetos Fotovoltaicos

Até o momento, de acordo com dados da ONU, 672 milhões de doses foram entregues aos países africanos, sendo 65% viabilizadas pelo Covax, bem como as seringas necessárias para essa aplicação. Atualmente, conforme a OMS, apenas 11% da população adulta africana está totalmente vacinada. 

Os refrigeradores funcionam com energia gerada por meio de placas solares em telhados de unidades de saúde, mas, nos sistemas africanos, as baterias foram eliminadas e a energia é armazenada diretamente na geladeira. Vacinar a população no continente é uma rotina do Unicef mesmo antes da pandemia, e a Covid-19 acelerou o processo de aperfeiçoamento para resfriar os imunizantes por mais tempo e em condições adequadas.

Energia Solar sem conexão à Rede Elétrica

Os sistemas Off Grid, assim como os On Grid, precisam ser instalados por técnicos qualificados que levem em consideração diversas questões para a montagem do sistema, como a carga necessária para manter o funcionamento constante. Eles são normalmente mais utilizados em localidades remotas, em que a rede elétrica não está disponível, como sítios, fazendas, comunidades isoladas, entre outras, mas também são opção para quem deseja ter independência energética em sua própria casa.

Geladeira - Energia Solar e Vacinas - Sistema Off Grid
Geladeira mantida com Energia Solar Off Grid garante a refrigeração de vacinas no Sudão do Sul (Crédito da Imagem: Unicef/ Conexão Planeta/ Reprodução NeoSolar)

Quem realiza a instalação deve considerar a eficiência global do sistema para não sobrecarregar as baterias, calculando sua carga e a capacidade real do conjunto, o que garante a vida útil de todo o equipamento. Além disso, o técnico também deve levar em consideração o cálculo de como manter o sistema com sobra de energia, para que não haja problemas em dias nublados ou chuvosos.

Assim, é possível ter segurança em relação ao fornecimento diário de energia pelo arranjo fotovoltaico conforme seu local de instalação, pensando inclusive na irradiação solar da cidade em que está o sistema e sua autonomia necessária.

Painel solar fotovoltaico é instalado em Serra Leoa para garantir funcionamento de geladeira que armazena vacinas (Crédito da Imagem: Unicef/ Conexão Planeta/ Reprodução NeoSolar)

Uso de energia solar cresce no Brasil

O mercado de energia solar vem conquistando espaço no Brasil. Atualmente, se compararmos “os telhados solares com a energia gerada por meio hidrelétrico, é como se em nosso país já tivéssemos 57% da potência instalada de uma usina de Itaipu que também abastece o Paraguai. Entretanto, existe ainda a vantagem do desenvolvimento sustentável.

No âmbito global,  COP 26, Conferência do Clima realizada em Glasgow, na Escócia, a fonte solar consolidou-se como uma das soluções para diversificar a matriz energética e reduzir a emissão de gases do efeito estufa das principais economias do planeta nas próximas décadas. Segundo a Absolar (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica), o Brasil, que hoje ocupa a 14ª posição neste mercado, tende a subir para o sexto lugar nos próximos dois anos a partir dos investimentos previstos. 

Dados da Absolar mostram que apenas 0,9% dos 88 milhões de consumidores de energia elétrica no país fazem uso do sol para produzir energia, mas aos poucos esta realidade está sendo modificada. Até outubro deste ano o país contava com 800 mil unidades consumidoras de energia de fonte solar, o que significa 450 mil instalações em relação a todo 2020.

Tal crescimento é resultado de fatores como a tecnologia ter se tornado mais acessível, o preço elevado da conta de luz cobrado pelas concessionárias impactado pela crise hídrica que o país enfrenta e o aumento do consumo de energia provocado pelo trabalho remoto na pandemia.

Mercado fotovoltaico se beneficia da ampliação dos perfis dos consumidores

Além de ter se tornado mais acessível, investir em energia solar promove economia de até 99% na conta de luz

 

O mercado fotovoltaico está se beneficiando de uma expansão no perfil dos clientes. O fato de que novas tecnologias permitiram instalações mais baratas tornou o consumo de placas mais vantajoso para um número maior de famílias, isso sem contar com as condições de financiamento oferecidas pelos bancos e outras opções como compartilhamento de placas até mesmo aluguel. A opção traz economia na conta de luz que pode chegar a até 99% a depender do consumo mensal da residência.

 
Outro fator que contribui para a ampliação do público é o aumento do custo da energia elétrica. Ainda que não seja acessível a pessoas de baixa renda, as novas condições tornam a compra mais fácil para quem não tem uma renda mensal tão alta. Vale ressaltar que em casos de comunidades ribeirinhas ou outros locais remotos cujo acesso à energia elétrica é limitado, a NeoSolar oferece o Sistema Individual de Geração de Energia Elétrica (SIGFI), que é off-grid.

 
A instalação de placas solares têm retorno mais vantajoso para quem tem conta de luz a partir de R$500,00, já que nesses casos a economia pode girar entre 95% e 99%. Quem tem um consumo menor pode demorar mais para ter retorno, já que nos sistemas on-grid ainda é necessário pagar a conta de energia, embora haja um desconto considerável.

Porquê os elétricos mudaram o setor de automotivos mundialmente

Como já sabemos, a percepção do mundo quanto energia limpas, e principalmente ações socioambientais mudou. Hoje, mais do que nunca, viramos nosso olhar para sermos conscientes quanto ao futuro do nosso planeta.

 

Por esse motivo, e também pelo sucesso dos veículos elétricos em todo o mundo, os governos, montadoras, e simpatizantes dos elétricos, voltaram suas metas para colocar, nos Estados Unidos, 50% dos novos veículos vendidos serem carros elétricos até o ano de 2023.

 

A ansiedade é grande, mas os incentivos e a revolução verde são ainda maiores, tornando essa meta para daqui dois anos, muito mais fácil do que imaginamos!

É possível instalar energia solar em prédios residenciais?

A resposta é sim! O residente pode gerar sua própria energia ou gera-la em conjunto de forma cooperativa com outros moradores. Assim, não só o titular pode diminuir o impacto ambiental, como também diminuir a conta paga dentro do condomínio.

 

Se escolher fazer sozinho, o titular pode ceder alguns dos créditos para outros moradores que estejam na mesma rede. Além disso, caso o morador tenha um sitio e também um apartamento na cidade, ele poderá gerar energia em uma localidade e usar os créditos que possui na produção com a concessionária para o condomínio de apartamentos, apenas nessa condição é possível fazer essa transferência.

 

Porém, fique atento. é necessário fazer uma pesquisa com as regras do seu prédio para que se faça a instalação, conferindo responsabilidade e segurança para você e os demais moradores.

 

Nordeste: performance e desenvolvimento na energia solar

O Nordeste brasileiro é atualmente o maior produtor de energia solar no país. Pelo seu clima quente e ótima performance no setor, a região hoje em dia já exporta energia para outras regiões, como a Sudeste, que atualmente se encontra numa crise hídrica.

Todo mês, a região bate um novo recorde de produção de energia solar, muito pelo incentivo que os governos fazem com esse empreendimento.

O Estado de Pernambuco iniciou uma parceria a alguns anos com o Banco do Nordeste  com o objetivo de incentivar a microgeração distribuída para pequenos negócios. Isso dará um incentivo maior que pequenas empresas consigam fornecer energia limpa aos seus negócios, além dos clientes terem como reduzir sua conta de luz emitida pela companhia elétrica estadual.

Isso só mostra como a região é coerente com a necessidade enérgica e trabalha em cima de soluções de incentivo.

Perspectiva do cliente: investir em sustentabilidade é a chave do sucesso

Cada vez mais as pessoas estão preocupadas com ações sustentáveis, sejam delas mesmas, do seu bairro, condomínio, ou das empresas que elas consomem bens de serviço. Por esse motivo, as instituições medem mais esforços para tornar medidas sustentáveis reais.

 

Segundo uma pesquisa feita pela plataforma de avaliação e seleção de softwares a Capterra,  71% dos pequenas e médios negócios do país avaliam o sucesso de suas ações sustentáveis através da satisfação do consumidor.

 

Eles também destacam que as ações mais presentes nessas empresas são:

  • Reciclagem de resíduos (66%);
  • Implementação de softwares para reduzir o uso de papel (63%);
  • Eliminação do uso de plástico ou redução do uso (60%).

 

Isso mostra que, apesar de não serem ações de grande impacto, como a instalação de painéis solares, essas instituições se preocupam em manter uma cultura sustentável em seu interior, mostrando preocupação e responsabilidade com o meio ambiente.

Confira as novidades do Salão da Mobilidade Elétrica

Dos dias 23 à 25 de setembro, aconteceu a 16ª edição do Salão da Mobilidade Elétrica no Estádio do Pacaembu em São Paulo. Nela, foi apresentado principais projetos de solução elétrica de montadoras e fintechs, além de expor veículos elétricos pouco vistos no Brasil, como o SUV da gigante Tesla e outros modelos da Stellantis, Nissan e outras grandes vanguardas da mobilidade elétrica.

 

No evento, a grande atração foram os novos modelos de carros no mercado, como o Fiat 500, Peugeot 208, Nissan Leaf e alguns modelos de motos elétricas da montadora BYD.

 

A feira teve como objetivo tornar um ponto de encontro para a indústria de mobilidade elétrica, viabilizando mais oportunidades e networking para o setor principalmente entre gestores, compradores, distribuidores e concessionárias.

Lei Paulista promete reaquecer o mercado de recarga de carros elétricos no Estado

Desde março de 2021, uma nova lei municipal tem agitado o mercado de recarga de carros elétricos no Estado de São Paulo, isso por quê ela prevê a obrigatoriedade de carregadores de veículos elétricos em todos os prédios, sejam eles residenciais ou comerciais.

 

O objetivo é trazer mais incentivo e conforto aos compradores e possíveis compradores destes veículos, sanando a dor que muitos interessados em elétricos com certeza já se pegaram pensando: “mas onde eu vou carregar o meu carro?”.

 

Entretanto, a lei não especifica quantos desses carregadores devem ter disponíveis em cada edifício, dificultando para construtoras e condomínios, que não sabem o ideal para cada prédio atualmente.

 

De qualquer forma, a legislação já trás novos ares para os veículos elétricos e a possibilidade de cada vez mais aumento no número de carregadores pela cidade, facilitando a utilização dos eletros.

De fato, energia solar ajuda na economia com conta de luz?

A resposta é sim!

 

Isso por quê a energia solar é um grande investimento não só na economia do dia a dia mas a longo prazo também. Um painel solar convencional hoje em dia tem em média 10 anos de garantia, alguns com tecnologias mais novas, chegam a 25 anos de garantia. Já a geração residencial, no final do mês, pode variar numa economia entre 50% à 95% do valor total da energia elétrica gasta dependendo apenas da quantidade de painéis solares que se tem instalado.

 

O investimento gasto pela morador em instalar essas placas acaba sendo pago justamente por tamanha economia na conta de luz, principalmente em tempos de escassez hídrica como a que estamos passando agora. É importante mencionar também que existem diversas maneiras de se conseguir financiamento para energia solar, por isso, faça uma boa pesquisa em instituições que forneçam crédito e veja qual faz mais sentido para você!

 

Via de regra, a energia solar se tornou assunto absoluto para quem busca investimento seguro, economia e de quebra energia renovável e limpa com garantia por bastante tempo.