16 jan 2017

Vocês sabem que além de prestarmos consultoria e instalação de sistemas, também comercializamos produtos que viabilizam a produção e o consumo de energia solar. A novidade é que recentemente aprofundamos nossa parceria com a francesa Schneider Electric, desenvolvedora de tecnologia e soluções para gestão de energia e automação.

 

O mercado brasileiro de energia solar fotovoltaica é promissor, mas ainda pouco estruturado, por isso, nós da NeoSolar buscamos, na parceria com multinacionais, o fomento e consolidação do setor. A boa relação entre a NeoSolar e Schneider já dura quatro anos e além da comercialização de produtos, também resultou na instalação de um eletroposto no Centro de Treinamento NeoSolar, no ano passado.

 

Para comemorar o sucesso dessa parceria, acabamos de ampliar o portfólio de produtos Schneider oferecidos não só no e-commerce, como para distribuição para revenda. Passamos a comprar direto da fábrica, aumentando assim, a competitividade dos produtos no país.

 

As novidades ficam por conta da linha de carregadores rápidos e residenciais, que torna a NeoSolar distribuidora exclusiva dos carregadores de Veículo Elétrico (VE) da Schneider no Brasil; dos produtos para sistemas isolados da XANTREX by Schneider, principal marca mundial para sistemas (off-grid); pela linha profissional para sistemas de médio e grande porte, Schneider SW e XW; do Access to Energy, soluções integradas de acesso à energia e iluminação e dos Inversores para conexão à rede – destes ofereceremos as linhas RL e CL, para atender ao mercado residencial e comercial para autoconsumo.

 

“Para a NeoSolar é fundamental ter relações estreitas com empresas como a Schneider, que além de fomentar o mercado, ditam tendência em automação. É importante ter parceiros de longa data com perfil tão sólido”, ressalta nosso sócio-diretor, Raphael Pintão.

 

Os produtos podem ser adquiridos em nossa loja on-line , que distribui para todo o país.

 

09 jan 2017

Quer se profissionalizar em energia solar fotovoltaica este ano? O centro de treinamento NeoSolar já tem inscrições abertas para os cursos 2017.

 

São sete cursos oferecidos que vão desde de os de formação de instaladores de sistemas off-grid e grid-tie, até os voltados a softwares de simulação de sistemas fotovoltaicos, bombeamento solar de água e carros elétricos.

 

O centro de treinamento NeoSolar conta com laboratórios bem equipados, profissionais experientes na realização de cursos na área e excelente didática, que tornam os cursos completos e dinâmicos.

 

Confira abaixo as datas dos próximos cursos. Para mais informações e inscrições basta acessar o site.

#VEMPROSOL

Sistemas Conectados à Rede Compacto

•          11/02 a 12/02

•          03/04 a 04/04

•          22/05 a 23/05

 

Sistemas Conectados à Rede  Instalador

•          17/01 a 20/01

•          20/02 a 23/02

•          27/03 a 30/03

•          25/04 a 28/04

•          05/06 a 08/06

 

Sistemas com Baterias Instalador

•          23/01 a 26/01

•          20/03 a 23/03

•          16/05 a 19/05

 

PV*SOL Simulador Fotovoltaico

•          25/05 a 27/05

 

Bombeamento Solar de Água

•          13/02

•          05/04

•          09/06

 

Carro Elétrico e Carregadores

•          25/03

 

Sistemas com Baterias (Rio de Janeiro)                                                                                  

•          16/03 a 17/03

 

26 dez 2016

Com a entrada em vigor do Acordo de Paris, documento que sela um compromisso global de combate às mudanças climáticas,  testemunharemos uma expansão de fontes de energias mais limpas e sustentáveis nas próximas décadas.

 

Segundo estudo do Instituto de Economia e Análise Financeira de Energia (IEEFA), a transição para as energias renováveis está acelerando, e a um ritmo mais rápido do que o previsto. Quem ficar para trás enfrentará riscos financeiros cada vez maiores.

 

As transformações ocorridas no setor ao longo de 2016 mostraram o que que se pode esperar. O estudo 2016: Year in Review – Three Trends Highlighting the Accelerating Global Energy Market Transformation, identifica essas tendências em energia que marcaram o ano.

 

O relatório assinala que “os enormes e subdesenvolvidos recursos solares do país” têm potencial para dar um grande impulso às energias renováveis por aqui, especialmente com a realização do 2º Leilão de Energia de Reserva.

 

Veja algumas das tendências em renováveis que marcaram 2016 de acordo com a pesquisa, listadas pelo site exame.com:

 

A transição global para as energias renováveis está se acelerando 

 

Em 2016, mais países tiveram períodos nos quais 100% do consumo de eletricidade foi atendido pelas energias renováveis. O Reino Unido, berço da Revolução Industrial a carvão, por exemplo, registrou uma maior geração de eletricidade por painéis solares do que por carvão nos seis meses entre abril e setembro deste ano.

 

A Escócia foi ainda mais longe. Em 7 de agosto, seus ventos produziram eletricidade suficiente para alimentar todo o país. Portugal, por sua vez, foi inteiramente suprido por energia solar, eólica e hidroelétrica durante quatro dias no mês de maio.

 

Poucos dias depois, um evento semelhante na Alemanha levou os preços da eletricidade a cifras negativas em 15 de maio, com a energia limpa suprindo toda a necessidade energética do país.

 

Além desses avanços, o relatório destacou o imenso potencial do continente africano na revolução energética. Segundo o estudo, a África tem tudo para se tornar o primeiro continente onde a energia renovável será o principal motor do desenvolvimento.

 

O ritmo da mudança é muito mais rápido do que o previsto

 

O relatório também aponta importantes mudanças em níveis institucionais que ajudam a gerar vantagens significativas para o desenvolvimento de novas fontes limpas.

 

O rápido crescimento do mercado dos chamados títulos verdes (ou green bonds) — títulos de dívida emitidos por empresas e instituições financeiras para viabilizar projetos com impacto ambiental positivo — é uma indicação de que o capital privado está saindo dos combustíveis fósseis para a energia renovável.

 

Ser um líder em energias limpas agora pode ser aplicado como um modelo de negócio sustentável que proporciona retornos superiores aos acionistas. Tesla, BYD, Nextera Energia, Softbank, ENEL, China Longyuan e Brookfield Renewable Partners todos demonstram isso.

 

Ainda segundo a pesquisa, o consumo de petróleo poderá atingir o pico em 2030, com o crescimento exponencial e continuado dos veículos elétricos, eficiência energética e energia renovável.

 

Quem fica para trás enfrenta crescentes riscos financeiros

 

Ao contribuir para reduzir as taxas de utilização, as energias renováveis continuarão a comprometer a viabilidade da produção a carvão.  De acordo com o estudo, o consumo mundial de carvão está em declínio, tendo atingido um pico em 2013 e declinado em 2016 pelo terceiro ano consecutivo. Um crescimento da demanda abaixo do esperado, em conjunto com o aumento da oferta de gás natural, deverá golpear ainda mais forte esse mercado.

 

19 dez 2016

A NeoSolar Energia, pioneira na oferta de soluções completas de energia solar, está divulgando as datas de seus cursos para 2017. A empresa que inaugurou no início de 2016 uma sede exclusiva para realização dos cursos – o Centro de Treinamento NeoSolar- estima capacitar só no primeiro semestre de 2017, mais de 300 pessoas.

 

“2017 será um ano de extrema importância para nós da NeoSolar, pois esperamos ampliar e consolidar nossa atuação no mercado, também como educadores e capacitadores na área técnica de energia solar fotovoltaica, ressalta o sócio-diretor, Raphael Pintão.

 

A empresa que desde 2012 percebeu a necessidade de fomentar a área de capacitação e que começou oferecendo apenas cursos de Instalação para sistemas off-grid e grid-tie, oferece hoje vários outros cursos voltados a software de simulação de sistemas fotovoltaicos, bombeamento solar de água e carros elétricos.

 

A novidade para o próximo ano é que a NeoSolar também pretende intensificar a realização dos cursos fora de São Paulo. Um deles, de Sistemas com Baterias, será ministrado no mês de março, na cidade do Rio de Janeiro.

 

Para os primeiros seis meses do ano, os cursos disponíveis para incursão são:

 

Sistemas Conectados à Rede Compacto

•          11/02 a 12/02

•          03/04 a 04/04

•          22/05 a 23/05

 

Sistemas Conectados à Rede  Instalador

•          17/01 a 20/01

•          20/02 a 23/02

•          27/03 a 30/03

•          25/04 a 28/04

•          05/06 a 08/06

 

Sistemas com Baterias Instalador

•          23/01 a 26/01

•          20/03 a 23/03

•          16/05 a 19/05

 

PV*SOL Simulador Fotovoltaico

•          25/05 a 27/05

 

Bombeamento Solar de Água

•          13/02

•          05/04

•          09/06

 

Carro Elétrico e Carregadores

•          25/03

 

Sistemas com Baterias (Rio de Janeiro)                                                                                  

•          16/03 a 17/03

 

As inscrições podem ser feitas pelo site

 

 

12 dez 2016

 

 

Assim como o mundo passou por uma transformação desde a era dos Dinossauros até o presente, chegou o momento de mais uma profunda transformação com substituição dos veículos com motores de combustão interna, por veículos 100% elétricos.

 

Um fator limitador para expansão da produção de Veículos Elétricos, estava atrelado a pouca autonomia alcançada pelas Baterias tradicionais de íon-lítio em cerca de 160 Km. Esta realidade teve um avanço com o modelo S da Tesla que alcançou 400 Km, e este cenário se modificou, com a descoberta do íon grafeno e sua aplicabilidade para o mercado automobilístico.

 

No caso do Grafeno, que faz parte das denominadas terras raras, o Brasil possui reserva de 3,5 bilhões de toneladas, e, também para se avaliar uma das infinitas utilidades deste material, foi desenvolvido pela Universidade de Córdoba, Espanha, uma bateria de Grafeno para carros elétricos com autonomia de 1.000 Km sendo que a BMW em parceria com a Toyota já produz o modelo I8 totalmente elétrico, a Toyota tem os modelos Mirai, CES 2014 e FCV. A Daimler Chrysler tem 60 carros e 30 ônibus híbridos elétricos e célula de combustível. A Volvo possui um trólebus totalmente elétrico. Existindo ainda pesquisas na GM, Nissan, Renault, Volkswagen, Mitsubishi e Huyndai Motor, totalizando aproximadamente 600 veículos alternativos elétricos e célula de hidrogênio.

 

Pesquisadores do Instituto de Ciência e Tecnologia Gwangju, Coréia do Sul, criaram baterias de carro, a base de grafeno, que apesar de mesma capacidade que as de íon lítio, possuíam diferencial de recarga em 16 segundos.

 

A Grabat Energy e Chint Group se uniram para produzir polímero de grafeno destinado a produção de baterias para veículos elétricos, com autonomia de 1000 Km e recarga em 8 minutos, a ser produzido em Yecla, Murcia, Espanha, com 20 linhas de montagem para fabricar 80 milhões de células.

 

Três dos maiores fabricantes de carros elétricos do mundo, Nissan, Bmw, e Tesla se propuseram a criar possíveis padrões globais de carregadores para veículos elétricos, evitando assim os diferentes carregadores, plugues e padrões de energia diferentes de acordo com a marca e localização.

 

A empresa NeoSolar Energia em parceria com AZ Energy e Schneider Eletric inaugurou em seu Centro de Treinamento, no Bairro Paraíso, Rua Coronel Paulino Carlos 176, próximo Avenida 23 de Maio, São Paulo, um Eletroposto com carregador EVLINK para carro elétrico, carregador este alimentado por Gerador Solar Fotovoltaico, e qualquer pessoa pode abastecer seu carro elétrico ou híbrido, sem custo algum, durante o horário de funcionamento da empresa de segunda à sexta das 9 às 18 horas.

 

De acordo com DENATRAN – Departamento Nacional de Trânsito a frota de 2,2 mil unidades de carros elétricos no Brasil em 2013, passou para 4,7 mil unidades em 2015.

 

 

28 nov 2016

Confira terceira e última parte de entrevista dada pelo nosso diretor, Raphael Pintão, a revista Rural.

 

Raphael Pintão, sócio-diretor da NeoSolar, declara que hoje em dia ainda é insignificante a produção de energia solar no Brasil, do ponto de vista global, fornecendo menos de 1% de toda matriz. Já o crescimento é muito forte. No ano passado cresceu 800% e este ano já dobrou a capacidade instalada no país.

 

Em relação as regiões que mais utilizam estes painéis fotovoltaicos em solo nacional, segundo ele, há uma dispersão muito grande. “Apesar de muita gente relacionar à radiação solar e temperatura, levando a crer que o Norte ou o Nordeste são os principais mercados, isso não é bem verdade. A falta de rede elétrica, e principalmente o custo das tarifas, são fatores muito importantes”, diz. Hoje, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, São Paulo e Mato Grosso do Sul possuem muita procura e sistemas instalados, juntos com o Nordeste como um todo.

 

O Futuro das soluções fotovoltaicas

 

“Acredito que ainda é muito pouco utilizada a solução de bombeamento solar”, diz o diretor. Para ele, o potencial é enorme e o custo de instalação bem acessível se comparado aos benefícios. Além disso, com o aumento do custo da energia, também se tornou muito atrativo o sistema de geração distribuída, ou seja, de autoconsumo para quando o consumidor já possui energia da rede, mas pretende produzir sua própria energia.

 

21 nov 2016

A Tesla, fabricante de carros elétricos, anunciou na última quinta-feira (17), que a sua proposta de comprar a SolarCity, maior fabricante e instaladora de painéis solares do EUA, foi aprovada. O acordo foi fechado por meio de permutas de ações das empresas.

 

A fabricante de carros elétricos, que já possui produtos de energia solar para abastecer casas, conseguirá com a combinação das empresas, apontar para futuro projeto de desenvolver tecnologia de energia solar para seus carros elétricos.

 

Para Elon Musk, dono da Tesla, a união pode gerar até US$ 150 milhões em economia para as empresas no primeiro ano. E que além disso, a sinergia entre ambas deve facilitar o desenvolvimento de sistemas de abastecimento elétrico por energia solar para tudo, desde casas até carros.

 

“Não podemos fazer isso se a Tesla e a SolarCity forem empresas diferentes, e é por isso que precisamos uni-las e quebrar as barreiras inerentes ao fato de serem empresas diferentes. Que elas sejam diferentes, apesar da origem comum e de perseguir o mesmo objetivo de energia sustentável, é em grande parte um acidente da história”, concluiu.

 

17 nov 2016

Confira a segunda parte da matéria da Revista Rural em que a NeoSolar foi destaque.

 

Atualmente, para o agricultor ter este sistema em sua propriedade, é necessária a disponibilidade de área sem sombreamento e demanda por energia. Havendo demanda por energia e sol disponível, sempre existirá uma solução de energia solar. “Por isso ela é utilizada até mesmo nos polos ou até mesmo no espaço”, declara Raphael Pintão, sócio diretor da NeoSolar Energia. Ele ressalta que é importante avaliar o retorno econômico, que dependerá basicamente da necessidade de energia ou do custo atual já disponível.

 

E quanto ao retorno econômico, numa análise fria, não é possível determinar um valor para aquisição, instalação e manutenção do sistema. Isso porque as aplicações podem ir de 2 a 3 mil reais para resolver uma questão de bombeamento de água, por exemplo, até milhares ou milhões de reais, tratando-se de propriedades maiores e soluções de substituição à rede já existente. “Para quem já tem energia elétrica, os sistemas instalados custarão a partir de R$20 mil e aumentam conforme consumo de energia “, declara. Segundo ele, já soluções aplicadas e pontuais, devem ficar entre 2 e 30 mil reais.

 

07 nov 2016

Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a geração de energia por consumidores cresceu quase 400% em um ano. Em setembro deste ano eles eram 5.525. Em setembro do ano passado, eram 1.155. E no mesmo mês em 2014, eram só 293 geradores.

 

De acordo com a Agência o mercado continuará crescendo, e a estimativa é de que em 2024 o Brasil tenha 1,2 milhão de unidades geradoras de eletricidade.

 

O aumento da mini e microgeração de energia, gerou uma questão para as distribuidoras de energia, que estão reclamando por esses consumidores usarem suas redes sem pagar. Segundo o presidente da Associação Brasileira de Distribuidoras de Energia Elétrica (Abradee), Nelson Leite, o impacto hoje ainda é pequeno, mas se a mini e microgeração continuar crescendo neste ritmo, a receita das distribuidoras poderá ser prejudicada.

 

Ainda de acordo com Leite, as concessionárias esperam que a Aneel regulamente o decreto 8.828, que permite a cobrança da tarifa binômia para consumidores de baixa tensão. Trata-se de uma tarifa que permitirá a separação do custo da eletricidade do custo pelo uso da rede de distribuição. Mas a Aneel informou que não há previsão para regulamentação da tarifa. E também, que qualquer mudança só será feita em cinco anos. E caso a tarifa seja aprovada, não valerá para quem já tiver o sistema de microgeração instalado.

 

 

03 nov 2016

Confira parte da matéria de capa da Revista Potência sobre veículos elétricos em que a NeoSolar também foi destaque.

 

Híbrido ou puro, o fato é que os veículos elétricos têm chamado a atenção dos usuários, empresas e de governantes. De acordo com levantamento efetuado pela ABVE, cerca de 7 milhões de veículos elétricos e híbridos (entre leves e pesados) circulavam no mundo em 2013. Particularmente em relação aos carros elétricos, no início de 2015, segundo dados do Centro de pesquisas sobre Energia Solar e Hidrogênio da Alemanha, mais de 740 mil unidades estavam na estrada, em todo o mundo.

 

“Mas estes números devem mudar no futuro porque a Europa está aderindo ao veículo elétrico. Em 2015, pela primeira vez, o continente europeu bateu os Estados Unidos em vendas de veículos elétricos e híbridos”, comenta Ricardo Guggisberg, lembrando que, hoje, os três maiores mercados são Estados Unidos, Japão e China.

 

E o ritmo de vendas desse tipo de veículo tende a acelerar ainda mais, principalmente em função da redução gradual de preços e aumento da autonomia das baterias. Alguns players estimam que, em 2020, a participação desses veículos nas vendas totais do mercado global seja da ordem de 10%. Em 2030, este montante poderá atingir 20%.

 

Esse avanço tem muito a ver com as vantagens oferecidas por estes veículos. Muitos especialistas afirmam que os veículos elétricos podem ser enquadrados entre as tecnologias típicas do século XXI, onde questões como consumo consciente, eficiência energética e sustentabilidade ganham cada vez mais força. Por isso sua evolução ocorre, simultaneamente, em diversos países.

 

“Veículos elétricos e híbridos fazem parte da agenda de ‘sustentabilidade’. Nossa sociedade precisa gerar energia mais limpa e usá-la com mais eficiência. Os carros e motores a combustão têm baixa eficiência (menor que 40% dependendo do ciclo) e emitem muitos poluentes, enquanto os veículos elétricos e híbridos possuem uma eficiência maior e menor emissão de poluentes. Portanto, este tipo de veículo ajuda a reduzir os males causados pela poluição do ar”, comenta Hélcio Makoto Morikossi, diretor de Vendas de Sistemas da WEG, lembrando que, hoje, nas grandes regiões metropolitanas do Brasil o uso de meios de transportes como trólebus e ônibus híbridos já tem contribuído para a redução da emissão de poluentes.

 

Aliás, nessa questão de emissão de poluentes as vantagens dos veículos elétricos são enormes. Em um veículo híbrido, por exemplo, o motor de combustão interna não funciona continuamente, como ocorre nos veículos convencionais, mas apenas quando ele é requerido. Com isso, ele consome, em média, 30% menos combustível. Na comparação com o diesel, ele emite 90% menos material particulado, 65% óxido de nitrogênio, 85% menos monóxido de carbono, 90% menos hidrocarbonetos e gera menor nível de ruído. Já o veículo elétrico puro é ainda mais ‘limpo’, pois não tem emissão local.

 

Outra grande vantagem dos veículos elétricos é que eles são econômicos. Estudo da CPFL Energia mostra que o valor do quilômetro rodado de um carro a combustão é, em média, de cerca de R$0,30. O elétrico é de R$0,10.

 

 

Últimos comentários