Energia Solar e Vacinas: como os Sistemas Off Grid possibilitam a imunização em áreas remotas

Pouca gente sabe, mas energia solar e vacinas são dois assuntos que podem ter muito a ver.

Em tempos de pandemia, quando se fala em vacinação, a associação imediata é com a Covid-19. Porém, existe um calendário de imunização no Brasil que possibilitou erradicar diversas doenças nas últimas décadas. Todas as vacinas brasileiras são aplicadas conforme o Plano Nacional de Imunização (PNI), em um esforço coordenado entre União, Estados e Municípios.

Em muitos casos, a conservação das vacinas que protegerão a população só é possível graças à instalação de sistemas de Energia Solar Off Grid, que permitem o funcionamento de geladeiras para refrigerar os imunizantes 24 horas por dia.

LEIA TAMBÉM:
– Veja Preços de Baterias de Lítio para Energia Solar
– Visite a loja NeoSolar e veja Preços para o seu Projeto
– Confira mais notícias de Energia Solar no Blog NeoSolar

O desafio de levar Vacinas para Regiões Remotas

Um dos maiores desafios para vacinar a população brasileira é chegar a áreas remotas e manter a integridade dos imunizantes, considerando que muitas regiões do país não contam com energia elétrica ou possuem instalações precárias, com constantes quedas de luz.

Nesses casos, diversos lotes de vacina correm o risco de estragar se não forem armazenados em geladeiras que mantenham os imunizantes refrigerados na temperatura ideal. Diante desse problema, uma solução de grande importância é a instalação de sistemas Off Grid de energia solar fotovoltaica, que contam com baterias e permitem manter uma geladeira ligada mesmo em um local isolado.

Vacinação - Geladeira - Aplicação Energia Solar Fotovoltaica Off Grid
Sistemas Off Grid de Energia Solar contribuem com o cronograma de vacinação por permitirem que regiões remotas do Brasil mantenham geladeiras ligadas para conservas os imunizantes (Crédito da Imagem: Ronstik/ Pixabay/ Reprodução Neosolar)

Energia Solar e Vacinação: Muito além da Covid-19

Algumas doenças menos contagiosas podem aguardar um pouco mais pela chegada de agentes de saúde com a logística necessária para campanhas temporárias. Mas no caso da Covid-19, por exemplo, o esforço precisou ser rápido e coordenado, a fim de organizar a vacinação em tempo recorde e ainda atender às específicas necessidades de temperatura dos imunizantes — cuja validade é menor e sensibilidade à temperatura, muito maior.

Por isso, em áreas remotas do Brasil, os sistemas de Energia Solar Off Grid, cuja geração é completamente independente de qualquer ligação com a rede elétrica, se apresentaram como uma solução adequada para manter o fluxo constante de energia em unidades de saúde e, assim, garantir a vacinação contra a Covid-19 – e outras doenças.

No Norte do País, por exemplo, com o apoio de ONGs e fundações internacionais, esse tipo de sistema está fornecendo energia solar a Unidades Básicas de Saúde (UBSs) que atendem comunidades e aldeias indígenas, possibilitando cumprir as exigências do PNI.

Vacinação África com Energia Solar
Programa da Unicef possibilitou vacinação em áreas remotas da África graças à instalação de placas solares (Crédito da Imagem: Unicef/ Conexão Planeta/ Reprodução NeoSolar)

Autonomia energética em Sistemas Off Grid

As geladeiras usadas para acondicionar vacinas em UBSs da Região Norte, sobretudo em comunidades ribeirinhas, ficam conectadas na energia fotovoltaica, que também possibilitou autonomia energética e informatização das unidades. Milhares de pessoas estão sendo beneficiadas e as UBSs atualmente podem ter equipamentos que antes não tinham condições de funcionar, como inaladores, para atendimentos de urgência.

Anteriormente, as unidades de saúde dependiam de geradores a diesel para funcionar, equipamentos que também forneciam energia para outros locais públicos e residências. Frequentemente, a energia gerada não era suficiente para manter o funcionamento de todos os prédios e casas adequadamente por conta da corrente elétrica instável.

Nos sistemas fotovoltaicos das UBSs, dimensionados para funcionar 24h/dia, são utilizadas baterias de lítio e inversores, melhorando a qualidade do atendimento primário à saúde. O sistema, normalmente, compreende um gerador fotovoltaico de 3,68 KWp, painel solar, inversor solar e bateria solar de lítio 48V 3,6KWh.

Energia Solar Off Grid - Geladeira armazenamento de vacina
Energia Solar e Vacinas: imunizante sendo retirado de imunizante em Uganda, na África, com refrigeração possibilita por um sistema Off Grid de Energia Solar Fotovoltaica (Crédito da Imagem: Unicef/ Conexão Planeta/ Reprodução NeoSolar)

Por ser Off Grid, com a utilização apenas da energia solar produzida pelos painéis fotovoltaicos, o sistema distribui automaticamente energia para as unidades de saúde e o excedente é armazenado em baterias. Para gerenciar a produção e o consumo, é instalado um inversor-carregador, que converte a corrente contínua dos painéis em corrente alternada, conforme a demanda.

Para que o sistema funcione de maneira adequada, é necessário utilizar baterias para armazenar a energia gerada pelos painéis solares, garantindo que mesmo em momentos de baixa geração de energia, como em dias nublados, o fornecimento seja constante. A alternativa viável a longo prazo  é a bateria solar de lítio ferro-fosfato, já que permite o uso quase total de sua carga sem afetá-la, mantendo sua eficiência em até 10 anos.

África: geladeiras de vacinas em sistemas Off Grid

Um consórcio de organismos internacionais foi criado no ano passado para garantir que regiões mais pobres e com difícil acesso tenham condições de vacinar a população contra a Covid-19. O Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), por meio desse consórcio, vem investindo na compra e instalação de refrigeradores com energia solar fotovoltaica para o continente africano.

LEIA TAMBÉM:
– Saiba o que é um Eletroposto para Carros Elétricos e como funciona
– O Guia Completo sobre Energia Solar
– Aprenda mais Sobre os Equipamentos Essenciais para Projetos Fotovoltaicos

Até o momento, de acordo com dados da ONU, 672 milhões de doses foram entregues aos países africanos, sendo 65% viabilizadas pelo Covax, bem como as seringas necessárias para essa aplicação. Atualmente, conforme a OMS, apenas 11% da população adulta africana está totalmente vacinada. 

Os refrigeradores funcionam com energia gerada por meio de placas solares em telhados de unidades de saúde, mas, nos sistemas africanos, as baterias foram eliminadas e a energia é armazenada diretamente na geladeira. Vacinar a população no continente é uma rotina do Unicef mesmo antes da pandemia, e a Covid-19 acelerou o processo de aperfeiçoamento para resfriar os imunizantes por mais tempo e em condições adequadas.

Energia Solar sem conexão à Rede Elétrica

Os sistemas Off Grid, assim como os On Grid, precisam ser instalados por técnicos qualificados que levem em consideração diversas questões para a montagem do sistema, como a carga necessária para manter o funcionamento constante. Eles são normalmente mais utilizados em localidades remotas, em que a rede elétrica não está disponível, como sítios, fazendas, comunidades isoladas, entre outras, mas também são opção para quem deseja ter independência energética em sua própria casa.

Geladeira - Energia Solar e Vacinas - Sistema Off Grid
Geladeira mantida com Energia Solar Off Grid garante a refrigeração de vacinas no Sudão do Sul (Crédito da Imagem: Unicef/ Conexão Planeta/ Reprodução NeoSolar)

Quem realiza a instalação deve considerar a eficiência global do sistema para não sobrecarregar as baterias, calculando sua carga e a capacidade real do conjunto, o que garante a vida útil de todo o equipamento. Além disso, o técnico também deve levar em consideração o cálculo de como manter o sistema com sobra de energia, para que não haja problemas em dias nublados ou chuvosos.

Assim, é possível ter segurança em relação ao fornecimento diário de energia pelo arranjo fotovoltaico conforme seu local de instalação, pensando inclusive na irradiação solar da cidade em que está o sistema e sua autonomia necessária.

Painel solar fotovoltaico é instalado em Serra Leoa para garantir funcionamento de geladeira que armazena vacinas (Crédito da Imagem: Unicef/ Conexão Planeta/ Reprodução NeoSolar)

Energia Solar instalada no Brasil atinge potência equivalente à de Itaipu

Projeto Placa Solar Energia Solar Fotovoltaica
Projeto de Energia Solar Fotovoltaica com Placas Solares (Crédito: Neosolar)

Mais uma boa notícia para a Energia Solar no Brasil: cada vez mais presente no dia a dia população, a fonte solar de energia alcançou uma marca histórica no início de 2022, atingindo 14 GW de potência instalada, capacidade equivalente à da Usina de Itaipu, uma das maiores hidrelétricas do mundo. O assunto foi repercutido pela grande mídia.

Segundo a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR), 66% dessa capacidade (9,3GW) vem da geração própria ou distribuída, por meio dos painéis solares instalados propriedades particulares, enquanto os outros 34% (4,7GW) estão concentrados nas usinas solares. Esse número equivale a 2,4% da matriz elétrica nacional e coloca a energia solar como a quinta maior fonte do Brasil.

LEIA TAMBÉM:
O Guia Completo sobre Energia Solar
Aprenda mais Sobre os Equipamentos Essenciais para Projetos Fotovoltaicos
Confira mais notícias de Energia Solar no Blog NeoSolar
Visite a loja NeoSolar e veja Preços para o seu Projeto

De 2012 até aqui, a fonte solar de energia já trouxe ao país um investimento de R$ 74,6 bilhões e criou mais de 420 mil empregos. Somente a geração própria foi responsável por R$ 49,5 bilhões em investimentos e 278 mil trabalhos diretos. Na última década, o setor foi responsável por mais de R$ 20,9 bilhões em impostos arrecadados.

A tendência é que esses dados impressionem ainda mais em 2022, já que o custo da energia elétrica segue em alto e, no último mês de janeiro, foi instituído o chamado Marco Legal da Geração Distribuída. Sancionada pela Lei 14.300/22, a medida determina que os consumidores da energia solar vinda da geração distribuída passem a pagar pela Tarifa de Uso do Sistema de Distribuição (Tusd), embora também possam acumular créditos pela geração de energia excedente para reversão em descontos na conta.

Em meio a diversas mudanças previstas, algumas regras de transição chamam a mudança no primeiro ano do Marco Legal de GD. Por exemplo: aqueles consumidores que instalarem, até janeiro de 2023, um sistema fotovoltaico em suas propriedades terão garantidas as regras atuais até 2045 – ou seja, se fizer a instalação de um projeto fotovoltaico até o primeiro mês do próximo ano, o consumidor estará isento da Tusd pelos próximos 22 anos.

Diante dessa oportunidade, existe a expectativa de alta procura pela instalação de sistemas solares no Brasil até o final de 2022, com muitos especialistas considerando o momento atual como o melhor para a instalação de painéis solares em telhados, terrenos, fachadas e em tantos outros lugares que podem ser abastecidos pela fonte de energia solar – uma energia limpa, renovável e eficiente que ganha mais espaço na vida dos brasileiros.

Energia Solar: Potencial do Brasil

A energia solar vem se mostrando uma importante opção de longo prazo para diversificação da matriz energética brasileira. Existem atualmente mais de 4 mil usinas solares em 19 Estados, de acordo com a ANEEL, tornando a capilaridade dessa fonte de energia cada vez maior. Outro diferencial é o preço: as grandes usinas solares podem gerar energia solar a valores até 10 vezes menores do que usinas termelétricas, segundo a ABSOLAR, quando se fala em energia distribuída. 

LEIA TAMBÉM:
Entenda o Preço de uma Placa Solar Fotovoltaica
Saiba qual a Diferença entre um Microinversor Solar e um Inversor String
Entenda tudo sobre Baterias Estacionárias para Energia Solar
Carregadores para Veículos Elétricos: Saiba o que é um Eletroposto

O preço também faz diferença no bolso do consumidor final, o que fez com que aplicação de energia solar em projetos comerciais, industriais e residenciais tenha crescido como uma possibilidade para baratear a conta de energia – em sistemas On Grid (Grid Tie) – ou para levar a luz a locais sem rede – nos sistemas off grid. A energia solar pode ser responsável pela redução de até 90% do valor da conta de energia em sistemas On Grid.

A preocupação com o meio ambiente vem sendo uma tônica essencial tanto para empresas quanto para consumidores. A energia solar é considerada limpa, ou seja, não polui durante a sua produção, entrando para a agenda do momento em que o mundo se volta para esse tipo de preocupação. Dados da ABSOLAR apontam que em torno de 18 milhões de toneladas de CO²  deixaram de ser liberados na atmosfera com a adoção desse tipo de energia.

O potencial da energia solar no Brasil também é um diferencial, uma vez que é o País se destaca por oferecer grandes áreas abertas e clima tropical, com sol praticamente o ano inteiro, tornando a energia solar viável e extremamente rentável.

Irradiação Solar no Brasil - Energia Solar Fotovoltaica - NeoSolar
Mapa mostra o alto potencial do Brasil para gerar energia solar fotovoltaica, com alto índice de irradiação solar em todo o território (Crédito: Atlas Brasileiro de Energia Solar/ NeoSolar)

Transição Energética no Brasil

De acordo com a segunda edição do Atlas Brasileiro de Energia Solar, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), no local menos ensolarado do Brasil é possível gerar cerca de 50% mais eletricidade solar do que na região mais ensolarada da Alemanha, para se ter uma ideia das oportunidades que o setor oferece no País.

Saiba mais aqui sobre a alta capacidade de produção de energia solar do território brasileiro.

O sistema de geração de energia brasileiro, baseado em hidrelétricas, vive um momento difícil com a escassez de chuvas da última década, que levam ao aumento de tarifas. Outra consequência é que, se as hidrelétricas não atendem à demanda, as termelétricas são acionadas, proporcionando a geração de energia mais cara e considerada ruim para o meio ambiente devido às emissões de gases poluentes. Esse cenário abre o caminho para o crescimento cada vez maior da participação de mercado da energia solar em todos os tipos de projetos.

Uso de energia solar cresce no Brasil

O mercado de energia solar vem conquistando espaço no Brasil. Atualmente, se compararmos “os telhados solares com a energia gerada por meio hidrelétrico, é como se em nosso país já tivéssemos 57% da potência instalada de uma usina de Itaipu que também abastece o Paraguai. Entretanto, existe ainda a vantagem do desenvolvimento sustentável.

No âmbito global,  COP 26, Conferência do Clima realizada em Glasgow, na Escócia, a fonte solar consolidou-se como uma das soluções para diversificar a matriz energética e reduzir a emissão de gases do efeito estufa das principais economias do planeta nas próximas décadas. Segundo a Absolar (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica), o Brasil, que hoje ocupa a 14ª posição neste mercado, tende a subir para o sexto lugar nos próximos dois anos a partir dos investimentos previstos. 

Dados da Absolar mostram que apenas 0,9% dos 88 milhões de consumidores de energia elétrica no país fazem uso do sol para produzir energia, mas aos poucos esta realidade está sendo modificada. Até outubro deste ano o país contava com 800 mil unidades consumidoras de energia de fonte solar, o que significa 450 mil instalações em relação a todo 2020.

Tal crescimento é resultado de fatores como a tecnologia ter se tornado mais acessível, o preço elevado da conta de luz cobrado pelas concessionárias impactado pela crise hídrica que o país enfrenta e o aumento do consumo de energia provocado pelo trabalho remoto na pandemia.

Levantamento da ABSOLAR indica que tecnologia é uma das saídas para a recuperação da economia pós pandemia da covid-19

A Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR) acaba de divulgar que o Brasil ultrapassou 5 gigawatts (GW) de potência operacional em energia solar fotovoltaica em usinas de grande porte e pequenos e médios sistemas instalados em telhados, fachadas e terrenos.

 

O levantamento mostra ainda que a tecnologia é uma das estratégias na recuperação da economia após passar a pandemia do coronavírus, pois tem um grande potencial de geração de empregos, renda e atração de novos investimentos ao País.

 

Além dessa quantidade de potência instalada, a energia solar já gerou cerca de 130 mil empregos acumulados, com aproximadamente 15 mil empresas atuando no mercado e uma quantidade de mais de R$ 26,8 bilhões em novos investimentos privados no País.

 

Estudo mostra que carros elétricos vão criar 115 mil empregos só nos EUA

Um estudo do Boston Consulting Group (BCG) em parceria com o Michigan Mobility Institute mostrou que na próxima década o setor de carros elétricos e serviços de mobilidade autônoma, só no EUA,  criarão até 115 mil novos empregos. Segundo a análise da consultoria The US Mobility Industry’s Great Talent Hunt, destes 115 mil, 45 mil serão ocupados por profissionais que realizarão funções ligadas à engenharia de mobilidade e computação. Já os  70 mil restantes trabalharam em testes e manutenção de veículos elétricos. 

 

O estudo mostrou ainda que será difícil encontrar profissionais qualificados, já que a demanda por esses profissionais será seis vezes maior e considerando que, atualmente, menos de 1% dos formados em engenharia o ciência da computação, optam por atuar na área automotiva.

 

Desses engenheiros, 8 mil serão apenas para desenvolver e construir veículos elétricos. Outros 5 mil vão fabricar veículos autônomos e mais 2 mil vão participar do desenvolvimento de infraestrutura das estradas. 

 

As montadoras também vão precisar de profissionais qualificados para testar os novos carros, cerca de 50 mil motoristas. 10 mil vagas vão surgir para reparadores de veículos elétricos que entendam de alta voltagem e baterias e outras 10 mil serão oferecidas para profissionais treinados em calibrar sensores e consertar peças robóticas. 

 

Estima-se que em 2030, os carros elétricos irão representar metade de toda a venda de veículos novos nos Estados Unidos. 

Sobre os sistemas autônomos de energias solar fotovoltaica

Hoje vamos falar sobre os sistemas isolados ou autônomos para geração de energia solar fotovoltaica, que, apesar de não serem necessários nas regiões urbanas, são super importantes  para que não têm acesso a rede elétrica, que ainda são muitos aqui no Brasil. 

 

Esse sistema é caracterizado por não se conectar a rede elétrica, ele abastece diretamente os aparelhos que utilizarão a energia. Esta solução é o modo mais econômico e prático de se obter energia elétrica nestes lugares remotos. Nos períodos sem sol, o abastecimento é garantido pela energia armazenada nas baterias. Podem ser usados, por exemplo, em sistemas de bombeamento de água, eletrificação de cercas, geladeiras para armazenar vacinas, postes de luz, estações replicadoras de sinal, etc. 

 

Os sistemas isolados de geração de energia solar fotovoltaica, de maneira simplificada, são compostos de quatro componentes:

 

Painéis solares:

São o coração do sistema e geram a energia elétrica que abastece as baterias. Tem a função de transformar a radiação solar em corrente elétrica contínua. Um sistema pode ter apenas um painel ou vários painéis interligados entre si

 

Controladores de carga:

É como se fossem a válvula do coração e garantem o abastecimento correto das baterias, evitando sobrecargas e descargas profundas, o que auxilia no aumento de vida útil do sistema.

 

Inversores:

São o cérebro do sistema e tem a função de transformar corrente contínua (CC) em corrente alternada (AC) e levar a tensão, por exemplo, de 12V para 127V. Em alguns casos, pode ser ligado a outro tipo de gerador ou à própria rede elétrica para abastecer as baterias.

 

Baterias:

São o pulmão do sistema e armazenam a energia elétrica para ser utilizada nos momentos em que não há sol e não há outras fontes de energia.

Nós lançaremos na InterSolar 2019, que acontece este mês, uma solução  completa desenvolvida para atender residências em regiões remotas e sem acesso à energia. Fiquem de olho! 

INVESTIMENTOS EM GD FOTOVOLTAICA SOMAM MAIS DE 4 ,8 BILHÕES NO BRASIL

Um levantamento divulgado, recentemente, pela Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), mostrou que os investimentos acumulados em projetos de geração distribuída fotovoltaica somam mais de R$ 4,8 bilhões no país. 

 

Segundo o mapeamento o Brasil tem, atualmente, 79.290 sistemas fotovoltaicos conectados à rede, totalizando 827,5 megawatts instalados. Deste total, os sistemas de microgeração e minigeração representam 99,6% das instalações. 

 

Os consumidores residenciais estão no topo da lista de sistemas istalados  com 74,1% do total, seguidos das empresas dos setores de comércio e serviços, com 17,2%; consumidores rurais, com 5,3%; indústrias, que tem 2,8%; poder público, com 0,6% e outros tipos, como serviços públicos, com 0,08% e iluminação pública, com 0,02%.

 

De acordo com o CEO da associação, Rodrigo Sauaia, se as regras atuais para o segmento forem mantidas, serão arrecadados mais de R$ 25 bilhões até 2027 em geração distribuída solar fotovoltaica.

Agora é a vez da mobilidade elétrica

Os últimos anúncios internacionais, de países como Noruega, Alemanha e França, assim como as expectativas pelo posicionamento da China exigem dos brasileiros pelo menos uma reflexão. De pequenos países a grandes potências, que são sedes de desenvolvimento das maiores marcas de automóveis do mundo, parece certa a data para o fim da comercialização e – o mais importante e difícil de acreditar – da circulação de automóveis a combustão nestes países.

 

Discute-se no Brasil a política industrial do setor automotivo para os próximos 12 anos, ficando restrita ao GT3 a vertical do que se fará ou não em relação aos veículos elétricos e híbridos no País.

 

No Brasil, tais veículos ainda possuem números modestos, embora tenham recentemente alcançado aumento de oferta e consumo com a isenção dos impostos de importação (de 35% para 0% no caso dos elétricos puros) e a redução dos mesmos tributos para 4% ou 7% no caso dos híbridos, a depender da eficiência energética.

 

Ainda assim, os veículos elétricos e híbridos no País são dependentes do câmbio e não somam 6 mil unidades computadas até setembro deste ano. Em sua maioria, são híbridos não plug-ins, veículos que não usam e não dependem da infraestrutura de recarga para circularem.

Para os elétricos puros e híbridos plug-ins, que demandam eletropostos, não há regulamentação para a comercialização de energia, restrita aos concessionários da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). No caso de uma iniciativa privada, a energia elétrica poderia ser gratuita, o que seria suportável pelo baixo custo, somado ao reduzido consumo. No entanto, novas regras serão exigidas para os modelos de negócios emergentes com as tendências de aumento no número de veículos e, consequentemente, no consumo de KW.

 

Enquanto isso, os superesportivos e os carros de luxo seguem a tendência de se tornarem híbridos sem consulta ao consumidor. O apelo tecnológico, o perfil sustentável das baixas emissões e, sobretudo, a resposta esportiva da tração elétrica tanto na aceleração (grande torque) quanto na frenagem (regeneração), alinhados às políticas públicas e industriais dos países de origem, estimulam no Brasil o consumo e o contato com a nova geração de produtos.

Algumas soluções poderiam levar em consideração o híbrido etanol, não como solução definitiva, mas de transição para os híbridos. Da mesma forma, a pesquisa do etanol como fonte de hidrogênio para os veículos FCV, servindo de justificativa para a adaptação dos produtos com matrizes no País, com algum P&D diferencial e apoio de fomentos e outros players importantes do agronegócio.

Quem tiver interesse de discutir este assunto está convidado para ir ao 6º Simpósio SAE BRASIL de Veículos Elétricos e Híbridos, que reunirá lideranças de montadoras, sistemistas, centros de pesquisa, distribuidores de energia, provedores de eletropostos e órgãos do poder público no Clube Transatlântico, em São Paulo, dia 18 de outubro.

 

Autor Ricado Takahira

* Ricardo Takahira é consultor proprietário da RTC2 Research & Technology Consulting, chairperson do 6º Simpósio SAE BRASIL de Veículos Elétricos e Híbridos e vice-coordenador da Comissão Técnica de Veículos Elétricos e Híbridos da SAE BRASIL

 

Texto extraído do portal Canal Tech  https://bit.ly/2TbX6si

Crescimento de energia solar fotovoltaica atinge 140% em 2018

Se existe hoje no Brasil uma forma de investimento mais lucrativa do que qualquer outra, essa com certeza é a aquisição de um sistema de energia solar fotovoltaico para a geração própria de energia elétrica.

 

Nos último 10 anos, os equipamentos apresentaram uma queda de 80% em seus custos, segundo dados da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR), o que reflete na redução do prazo médio para retorno sobre o seu investimento, o qual fica entre 4 e 5 anos para um sistema residencial hoje no país.

 

Com uma vida útil de mais de 25 anos e potencial para atender até 100% do consumo elétrico de qualquer tipo de estabelecimento, esses sistemas possibilitam uma redução de até 95% na conta de luz, graças ao sistema de créditos energéticos criado pela ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) em 2012.

 

Desde então, esse segmento de geração distribuída cresceu de forma exponencial no Brasil ao longo dos últimos anos, atingindo hoje um público de mais de 46 mil consumidores que se dividem entre residenciais, comerciais, agronegócios, indústrias, poder público, entre outros.

 

E 2018 não foi diferente, com o número de sistemas instalados quase que dobrando em relação aos de 2017, foram 13.568 no ano passado e 24.890 até o momento este ano. Na potência instalada desses geradores o crescimento foi de mais de 140%, com as instalações de 2018 somando mais de 291 Megawatts.

 

Muito desse crescimento recente do segmento de geração distribuída veio graças as novas modalidades de geração criadas pela regulamentação de 2015, assim como as linhas de financiamento oferecidas por bancos públicos e privados que ampliaram o público da tecnologia, o qual deverá chegar a 886.700 brasileiros até 2024, segundo a projeção da ANEEL.

 

Fonte: Erika Michalick – Portal Celulose ( https://bit.ly/2A1toyM )

Como financiar energia solar

Quer produzir sua própria energia solar e reduzir a conta de luz? Em 2018 vários banco passaram a ter financiamento específico para isso.

 

Hoje, no Brasil, temos mais de 33 mil sistemas fotovoltaicos conectados a rede e mais 76% são residenciais.  Os valores dos equipamentos podem variar de acordo com o tamanho do sistema. No entanto, hoje existem algumas formas de financiamento.

 

Banco da Amazônia

O Banco da Amazônia oferece financiamento em residências da região Norte, por meio do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO)  No momento, o banco já oferece essa alternativa para empresas e também para o setor rural.

 

Banco do Brasil 

Banco do Brasil Começou a oferecer em julho deste ano um consórcio para a compra e instalação de placas solares em residências. Não cobra juros, mas há uma taxa de administração, que soma 15% no período do consórcio.

 

Banco do Nordeste

As taxas de juros e as condições de carência são idênticas às oferecidas pelo Banco da Amazônia: os juros variam de 1,14% ao ano + IPCA até 3,27% ao ano + IPCA. A carência para o início do pagamento é de seis meses.

 

Bradesco

O banco Bradesco trabalha com financiamento para sistemas de energia solar residenciais há um ano, tanto para pessoa física quanto jurídica, mas apenas para correntistas. Os juros ficam entre 1,8% e 1,86% ao mês, conforme o prazo, que pode ser de até 60 meses.

 

Santander 

Desde agosto  o banco Santander financia equipamentos de energia solar, com juros a partir de 0,99% ao mês. Serão oferecidos R$ 400 milhões em crédito.

 

Fonte: https://bit.ly/2NUjBTh